Um dia




8hs - toca o despertador, dou um tapa no iPhone (velho hábito) e sigo sonhando com uma praia ventilada (o ventilador vai estar ligado até maio); 8h30 - escovo os dentes e xingo o presidente, pra firmar minha posição; 9h - papaia, granola e UOL me deprimindo com o aumento de vítimas do coronavírus; 9h30 - traje completo de ginástica pra afastar a depressão; 10h - óculos escuros e incontáveis voltas na minha casa ouvindo Queen (Don’t stop me know, please); 11h - abdominais e whey protein ouvindo mais uma vez o Roda Viva com aquele biólogo; 12h - deitada no tapetinho, lágrimas se misturando com o suor; 13h - arroz com ovo q é o q eu sei fazer; 14h - homefight, quer dizer, homeschool; 15h – tentativa de fazer algo útil no computador; 16h – me rendo ao Narcos México com pipoca e álcool gel, pra evitar contaminação internacional; 17h - zoom meeting com toda minha família (fico sorrindo porque não dá pra entender uma palavra); 18h - legging e camisão para meu nightwalk (ao redor da casa, naturalmente) rezando junto com a Cláudia Raia; 19h - banho e lágrimas pelo ralo novamente; 20h - macarrão, segunda coisa q eu sei fazer; 21h - uma checada nos vídeos do Corona, risadas forçadas em caráter de exercício; 22h - retorno a praia ventilada e o forte desejo de que amanhã seja diferente.

Recent Posts
Arquivo

© 2017 by Bia Garbato